Fale Conosco

Bahia

UPB comemora retirada dos terceirizados do índice de pessoal

Postado

UPB comemora retirada dos terceirizados do índice de pessoal

Presidente da UPB Eures Ribeiro disse que os prefeitos vão poder investir nos municípios e quem vai ganhar é a população.

Quando arrastou uma multidão de prefeitos e municipalistas na marcha pelas ruas do Centro Administrativo rumo à Assembleia Legislativa, em outubro, a União dos Municípios da Bahia (UPB) tinha uma reivindicação expressa e acaba de lograr êxito. O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) aprovou em sessão de terça-feira (20) a retirada da mão de obra terceirizada do índice de gastos com pessoal das prefeituras. Há uma semana, a corte de contas já tinha dado parecer favorável a exclusão dos gastos de pessoal de programas federais.

Para o presidente da UPB e prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro, “é a unidade dos prefeitos que está conseguindo isso, com o apoio da Assembleia Legislativa”. Ele lembrou as diversas reuniões com o presidente da Assembleia, deputado Ângelo Coronel, que, segundo ele, ajudou a publicizar a dificuldade dos municípios em cumprir a determinação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) diante da queda de receita e do excesso de obrigações imposta às prefeituras pela União. “É quase impossível cumprir o limite dos 54% da receita corrente líquida sem prejudicar o serviço prestado ao cidadão. Acredito que agora, os prefeitos vão poder investir nos municípios. Quem ganha é a população”, reforçou Eures.

Com a decisão, o tribunal anunciou a formação de uma comissão para elaborar uma Instrução normativa orientando quais as atividades serão exercidas por terceirizados sem a inclusão do custo no índice de pessoal definido pela LRF. O relator da matéria, conselheiro Plínio Carneiro Filho, antecipou quais itens não devem ser considerados para fins das despesas de pessoal. A decisão engloba contratação para atividade-meio (segurança, vigilância, transportes, informática, recepção, manutenção de prédios, equipamentos e instalações) e de organizações sociais, em contratos de gestão e outros contratos de terceirizados quando os cargos estão em extinção nas prefeituras.

Por: Wilde Barreto/ASCOM UPB

Puplicidade

Facebook