Fale Conosco

E.C Vitória

Boletim do DM: Médico do Vitória explica lesões e detalha o caso de Neílton

Postado

Boletim do DM: Médico do Vitória explica lesões e detalha o caso de Neílton

Para o técnico Vagner Mancini montar o time do Vitória não está sendo fácil. Além do elenco reduzido, o treinador está vendo suas principais peças sofrerem várias lesões. O principal caso é do atacante Neílton, que sofreu uma lesão grau 1 na parte na coxa esquerda. De acordo com Wilson Vasconcelos, o camisa 10 vai passar por um exame nessa semana para avaliar a recuperação e não terá condições de enfrentar o Internacional na próxima quinta-feira, em jogo válido pela Copa do Brasil.

“Ele foi o jogador que mais participou de partidas do Vitória. Fez uma lesão pequena, grau 1, na posterior da coxa esquerda. Fez uma ressonância na terça passada e tem programado um ultrassom nessa semana. A gente está com uma ideia de, possivelmente neste fim de semana ou no meio da outra semana, já estar colocando ele”, explicou Vasconcelos.

Já o volante Fillipe Soutto e meia Luan, que sofreram lesões em decorrência de pancadas, o médico afirma que o tempo de recuperação vai ser maior que o de Neilton.

“Esses são jogadores mais complicados, que sofreram lesões traumáticas, pancadas. Fillipe foi ligamento colateral medial do joelho. Precisa de três semanas até cicatrização completa. Luan teve um edema extenso na coxa, muito parecido com a lesão do Bruno Bispo no ano passado, que até fez uma cirurgia. Ele [Luan] não vai precisar de cirurgia, mas está sentindo muita dor e vai precisar de um tempo maior. Vamos fazer um exame só na semana que vem para ver se diminuiu o edema e ter uma ideia do prognóstico de retorno. Fillipe a gente aguarda até três semanas; fez uma semana agora. Luan não tem previsão inicial, mas deve ser a partir de três semanas; três a quatro semanas”.

O médico também comentou sobre as contusões de Cleiton Xavier e Bryan, jogador importante para o esquema tático de Mancini.

“Ele [Cleiton Xavier] teve um avicamento na posterior da coxa, parecida com o Bryan. Bryan foi o músculo tendíneo do adutor. Cleiton foi na coxa. A gente espera umas três semanas para fazer o exame de controle, aí a gente vai ter o prognóstico da lesão, que é de prognóstico extenso, ele e Bryan. Bryan tem um mês de lesão agora, cinco semanas na quarta. Fez um exame de controle e tem a mesma situação de Cleiton. Vai fazer um exame de controle com duas semanas. […]São lesões musculares, desinserções de músculo tendíneo. O músculo vira um tendão, que une o músculo ao osso. Essa parte do tendão desgarrou do osso. Não é no veio muscular, é na parte do tendão, que se prende no osso. Tem que esperar o tendão se recompor e depois ele maturar. Então, para fechar a lesão, precisa de um tempo. E depois de fechar essa lesão, precisa de um tempo igual ao que foi necessário para fechar a lesão. São lesões de tempo de retorno mais longo.

Para finalizar, Wilson falou sobre a contusão de André Lima.

“Em uma fratura no metatarso. Fez exame até hoje. Já apresenta consolidação parcial. Acredito que, em mais duas semanas, deve estar fechando. Mas ele tem um prognóstico inicial de 10 semanas, dois meses e meio”.

 

Puplicidade